Blog

Resistência à mudança

  • em 9 de agosto de 2016 ·
  • por ·

Porque somos tão resistentes a mudanças de comportamentos, de métodos de trabalho, e porque não dizer, de crenças? E o pior é que muitas vezes, no fundo sabemos que da forma que estamos agindo, está gerando mais trabalho, mais stress, demandando mais tempo, deixando o nosso dia muito mais cansativo e ineficiente.

Confesso que não tenho conhecimentos profundos sobre a mente humana, minha opinião está baseada somente nas minhas experiências vividas em inúmeras empresas de diversos segmentos e tamanhos. Infelizmente, tive esta constatação em praticamente todas as organizações por qual passei.

Só encontro uma resposta para esse comportamento: “medo”, muito medo de enfrentar o novo, o desconhecido, quando não sabemos o que nos espera ao começar a fazer diferente. Sentir um frio na barriga faz parte, para que possamos avaliar e ponderar os riscos e perigos de um processo de mudança em nossas vidas, carreiras e formas de agir.

O primeiro passo, para enfrentar e superar essa dificuldade é tentar ter autocrítica para analisar de verdade como são as nossas atitudes frente aos obstáculos para a mudança que nos perseguem no dia a dia, eliminando da nossa mente os pensamentos mais absurdos e ultrapassados, ilustrados por frases feitas como: “Isso não é pra mim”, ” Time que está ganhando não se mexe”, “ eu sempre fiz assim”, entre outras…

Sinto dizer para os que estão resistentes as minhas colocações deste texto: hoje, num momento onde a inovação é um dos maiores diferenciais em pessoas e empresas competitivas, não tem mais espaço para inércia, para falta de atitude, posturas sustentadas pela chamada “zonas de conforto”.

Profissionais que não estejam constantemente revendo suas práticas, questionando seus modelos, por meio de técnicas eficazes de verificação da eficácia das nossas atitudes, com base em resultados efetivos, estão perdendo espaço no mercado.

A dica para começar 2013: vamos enfrentar de frente os nossos desafios. Nas dificuldades que surgirem, vamos pedir ajuda, sejamos humildes em admitir que estamos com medo de fazer diferente.

Com certeza, se formos verdadeiros em nossas relações, admitindo nossas fragilidades, nossa chance de acertar logo na primeira vez será muito maior.

Um ano de 2013 para todos com muitas mudanças, sempre para melhor!

Julio Carlotto 
Diretor Executivo da Advis

Comentários

comentários